domingo, abril 23, 2006

"Lose ourselfs to lose our minds"

O comboio atravessava veloz o interminável túnel da noite. Lembrava-se com precisão de quando o comboio apitara, fazendo o primeiro movimento para sair da estação aos solavancos. No cais, uma mancha luminosa polvilhada de ouro delineava a silhueta da mãe que, num lento adeus, tinha diminuído de tamanho à media que o comboio se afastara, até se tornar num ponto escuro e desaparecer.
Quando o comboio avançou pelo cheirete a produtos químicos do subúrbio da cidade, apercebeu-se de que etava sozinho naquele compartimento. Pensou: «Aqui estou eu...só, dentro e fora de mim, último passageiro da minha noite interior.» E reprimiu as lágrimas, apertanto a pequena mala de viagem contra o peito. Depois, mais calmo, encostou-se à janela e deixou o movimento do comboio sacudir-lhe o corpo. À sua volta crescia o silêncio, doloroso silêncio, semelhante ao que se estende por cima do mar cuja misteriosa mansidão nos acorda, obrigando-nos a descobrir, subitamente, que a solidão é muito maior do que julgávamos.
Como um gato que se enrosca para dormir, encolheu-se no assento, ajeitou a mala contra si. Não soube se permaneceu muito tempo naquela posição, olhando o que desfilava no enquadramento da janela, um pouco desfocado, em sentido contrário. Dormitou, ou talvez tenha pensado que dormitava.Talvez tenha cantarolado baixinho uma dessas canções tristes que os pescadores solitários fazem vibrar nos lábios, em surdina, para afastarem a morte e o medo no alto-mar.
O comboio percorreu dois dias e duas noites. Em que direcção? Pouco lhe importava. Num país atravessara o esplendor acetinado da primavera. Noutro chovia, e o frio gretara-lhe os lábios, emudecera-o. Comprara umas luvas de lã e entretivera-se a pô-las e tirá-las horas a fio. E assim cruzara cidades e campos sem dar por isso, enroscado junto à janela do compartimento, um um livro que não leu aberto sobre os joelhos, a cabeça encostada ao vidro, entorpecido. Deixara o tempo erguer em seu redor um espaço sem passado nem presente, nem futuro. Estava ali, esquecido de si mesmo, era tudo.
Sentira o corpo avançar à velocidade do comboio, sem saber ao certo para onde, mas avançara. De resto, como sempre, avançara pelo interior daquele limbo meio iluminado meio na treva, que era a exígua memória do que vida consentira dar-lhe, como um sobejo.

Al Berto

Fura Bolos (leiam a ouvir Holland do Suvjan Stevens: lugarzinho no ceu)

3 comentários:

Anónimo disse...

"All the time we spent in bed
Counting miles before we set
Fall in love and fall apart
Things will end before they start

Sleeping on Lake Michigan
Factories and marching bands
Lose our clothes in summer time
Lose ourselves to lose our minds
In the summer heat, I might"

...perdidos no céu verde da Holanda...

Anónimo disse...

Very nice site! » » »

Anónimo disse...

Excellent, love it! 1962 88 dynamic oldsmobile Online currency trading system broker forex mini c11 Madison credit history report alfa romeo 146 1.6 16v ts campus jobs