domingo, novembro 02, 2008

O Eterno Retorno

Tentei içar vales e montanhas..Anoitecer a mágoa com mantos reluzentes de pérolas famintas de sangue..Enterneci o tempo, e pedi-lhe que não transbordasse mais através dos meus poros..
Acordei. Ouvi o som estridente da campanhia..Os meus passos anteviam o rosto com que o tempo me brindaria, quando trespassasse a soleira da porta..Esbocei um sorriso..Tinha voltado..O gesto firmado naquele olhar, antevia que nada tinha mudado em si…”Ele voltou”, não me cansava eu de repetir mentalmente…Sentou-se junto de mim, e contou-me as façanhas dos longos anos em que, por vicissitudes da vida, se havia ausentado, sem deixar rasto, um trilho qualquer de pistas que vislumbrassem a sua existência.
Com pesar, falou-me de desgostos de amor, de glórias lupanares, que fatalmente se deixaram arrastar pelo efémero. Conheceu gente, passou pelos quatros cantos do mundo, construiu o seu próprio império de sonhos como se se tratasse de um castelo de cartas…Belo, mas frágil. Caminhou pelo deserto, escalou montanhas e percorreu as tundras enregeladas pelo prazer. Foi pirata, saqueador dos sonhos com que construía o seu mundo fantástico..E não, não se importava se os sonhos eram pertences íntimos de outrem, não lhe interessava que podia quebrar existências, quando roubava, com desdém, as quimeras daqueles que para elas viviam.
Continuei sentada junto ao parapeito da janela, de onde podia ver o jardim recoberto de túlipas, cujas cores contrastavam com qualquer espécie de sentir, que se me atravessava no momento. Ele continuou com a sua verborreia, como se quisesse depositar em mim todos os sonhos que já tinham deixado de o ser.Levantei-me, e olhei de soslaio para massa disforme de devaneios que ele tinha para me oferecer..Foi a minha vez de sair.

4 comentários:

A. Jorge Oliveira disse...

Verborreia? Que doloroso para o "pirata". Ou talvez não. Texto belo, e só nisso não difere dos anteriores. De qualquer forma, soa ainda melhor quando lido por ti. Até já. Um beijo.

Rui Oliveira disse...

Só para dizer que o meu blog mudou de link. Em relação aos textos, sempre em bom nível, olha que habituas mal a malta que os lê :P

Felisbela Gonçalves disse...

Foste tu que escreveste? Pensei que tinha sido copiado de um livro? Está muito bom. Simplesmente fantástico!

Anónimo disse...

Tentas...

Manipulas,"engoles", distorces,interpretas...fantasias e escreves...bonito, retórico, espelhante, vibrante...

Mas e aí dentro...
É isso que quero ouvir e não ler...
Tenho saudades de te escutar...

Ding-Dong...next door..

Tentas???