quinta-feira, maio 31, 2007

Acerca do enigma da vida (ir)real...

Afinal, o que é isto do sonho e do imaginário? Qual é a diferença entre o sonho e a realidade? O que é o sonho e o que é a realidade? O que é a vida? O que é o ser? O que somos nós? ...Quem és tu? A Catarina, o João? A Marina? És um nome?


Um dia destes de repente sem ninguém nos avisar somos lançados nesta rampa para um palco desconhecido e dizem-nos que isto é a vida e o que devemos é viver... contaminados pela cultura, pela época, pela política, pelo Mundo, vivemos uma alienação, somos humanos, temos limites e estamos presos em conceitos, em verdades absolutas. ...Afinal, pensamos nós: a vida até é confortável. A felicidade? Compramo-la nós todos os dias. Os dias são o caminhar para a (des)ilusão mas, fica, só mais um pouco, fiz um esforço para prolongar o sonho, a ilusão, a felicidade, só mais um pouco antes de...
Cai na (ir)realidade e no meio do escuro atravessam-se-lhe raios de luz, fragmentos de verdades? Olha bem à sua volta e tenta decifrar o que parece ver no meio do nevoeiro. Entretanto o pensamento apodera-se dela e o medo domina-a, quer saber o que é, mas não tem coragem. Em estado de desespero julga que só o Deus do sonho a poderá apaziguar... Ela não aguenta a pressão, julga-se doida, perdida, grita de dor, uma dor lasciva e profunda que urre das entranhas primordiais da terra... Mas, isso é medo, é insegurança, ela sente coisas que acha que não deve sentir, ela sente coisas que não sabe se são um sonho ou a realidade, ela usa palavras para determinar aquilo, aquilo que nunca vai descobrir, talvez nunca vá muito mais além do que o óbvio da sua própria sombra. Olha para a imagem por uns segundos e vê-se fundida nela, no fundo ela sabe que é aquilo que critica, a imagem de Siqueiros... As mãos em forma de conxa... É essa a nossa posição, somos passivos, esperamos sempre que alguém venha dizer-nos o que devemos fazer, como, afinal até queremos ser iguais a todos... Esquecemo-nos que por vezes temos que transgredir barreiras invisíveis, muros feitos de ar, tal como Prometeu que teve que transgredir regras para alcançar “o fogo” que era dos Deuses... Mas nós não, nós queremos verdades absolutas, queremos respostas concretas, talvez por isso o Mundo esteja como está e caminhe para a destruição do Homem. ...De repente, assim como a luz surgiu desapareceu para um dia mais tarde regressar.
Quando reparou o dia já tinha nascido, o furacão estava agora a milhas de distância, lentamente vai adormecendo na ilusão dos dias e tudo volta à normalidade do que era antes, as coisas têm o seu nome e estão nos seus devidos lugares... restam-lhe agora as memórias, a lembrança do que foi um dia, mas sem nunca esquecer de que “o importante não é o que é verdadeiro, mas aquilo que nos ajuda a viver...”

Talvez a vida seja só isto ou talvez seja nada...


Palma

3 comentários:

Anónimo disse...

adorei este teu post.. pareceu-me um grito silencioso da alma que, apesar de o turbilhão do furacão ter dado lugar à brisa matial, mereceu a pena...mereceu a pena porque ficou em ti, em nós....

continua, pff

lol

fura_Bolos

Hans Norhenberg Zwert disse...

... sim, continua!

Paulo Sempre disse...

Interessante!!!