terça-feira, dezembro 29, 2009

Início e Fim de Um Romance (ou vice-versa)

Passou pela brisa gélida que se afeiçoava ao seu mau humor matinal. Não sentia os ombros, tamanho o fardo que neles a noite depositara. Caminhava como um autómato, a caminho do barqueiro que a haveria de levar para a outra margem do rio.

Não queria acreditar nas horas nocturnas que lhe haviam passado, como se fossem uma estrela cadente que cai sobre seu corpo e se evapora. Assim foi. Ele chegou ensismesmado em dores de consciência, em funerais de despedidas que nunca havia consumado.

Bastou pegar-lhe na mão e a noite transformou-se num quarto de cores rubras e periclitantes.

3 comentários:

Anónimo disse...

Sem dúvida que o toque é algum fundamental, para todos os seres humanos. Porém segundo os especialistas “nem todo toque é benéfico. O toque tem de ser inteiro. Quem toca e quem é tocado sentem uma sintonia fina (mas intensa), que só se faz presente quando ambos estão inteiros no momento. Um toque amoroso é a melhor forma de desarmar carrancas stressadas, tensas, de dar novo brilho a corpos sem vida, de revitalizar e tonificar uma pele flácida...” Igualmente importante é o ambiente em redor e a ocasião proporcionada ...

Será disto exemplo o romance descrito por ti?

SuPsicOlimpiada disse...

moulin rouge...

hihihiihihih

SuPsicOlimpiada disse...

Um Bom Ano de 2010!!! Beijinhos